This Page

has been moved to new address

A educação brasileira tem uma série de nós

Sorry for inconvenience...

Redirection provided by Blogger to WordPress Migration Service
Giba Net: A educação brasileira tem uma série de nós

segunda-feira, 27 de setembro de 2010

A educação brasileira tem uma série de nós

 (*) Nelson Valente


A educação brasileira tem uma série de nós. Os administradores chamam isso de entropia. Mas, a nosso ver, nenhum suplanta o fenônemo da repetência, com os seus desdobramentos.


Vivemos um tempo em que se falava muito de evasão e repetência. Hoje, sabe-se que a evasão, na escola brasileira, não passa de 3%, o que desmente a tese de que as nossas crianças não gostam de suas escolas.


O que existe de fato, é uma enorme repetência, além de uma escandalosa distorção idade/série. Os dois fatores são intercomplementares, o que acaba por justificar a incrível estatística de que 86% das crianças estudam fora das séries respectivas, com um atraso apreciável.


Para completar os oito anos de ensino fundamental, é comum levar de 11 a 12 anos, gerando uma sobrecarga no sistema que é bastante onerosa.


A repetência apresenta justificativas que se somam. Em primeiro lugar, a preocupação dos sistemas de ensino de valorizar a aprovação, como se nessa idade isso fosse importante. O que interessa, sobretudo na faixa etária dos 7 aos 10 anos de idade, é a presença da criança na escola, adquirindo hábitos de convivência, respeito aos mestres e adesão às tarefas da relação ensino-aprendizagem.

Em segundo lugar, mas que pode ser o primeiro, a atuação das professoras, em geral com pouco preparo e salários rídiculos. Não residirá aí a falta de motivação das próprias crianças e uma boa base para se considerar o proclamado fracasso escolar?


Em terceiro lugar, o apoio sincopado do MEC. Não são todas as escolas que recebem meranda, nem todas elas são aquinhoadas com livros didáticos ( estes, quando chegam, em geral é muito tempo depois de iniciadas as aulas). Se reduzirmos a repetência a proporções modestas, haverá vagas para todos – e não se precisará mais pensar nesses “ monstros de concretos” que fazem a alegria das empreiteiras.



(*) é professor universitário, jornalista e escritor

Marcadores: ,

2 Comentários:

Às 27 de setembro de 2010 23:30 , Blogger Fatima Zanin disse...

Seu artigo relata a triste realidade da educação,concordo plenamente com as colocações sobre repetência e despreparo de alguns professores e baixos salários.
Abraço.

 
Às 28 de setembro de 2010 01:30 , Blogger Dú Pirollo disse...

Meu caro amigo Giba, boa noite!!!
Infelizmente isso é uma grande realidade, precisa de mudanças urgentes... precisa de mais investimentos na área do ensino e na formação de professores... precisa melhorar o ensino técnico... precisa de mais incentivo aos alunos, com novas tecnologias e novos métodos de ensino.
Parabéns pela postagem do excelente texto, gostei!!!
Grande abraço e muita paz!!!

 

Postar um comentário

Seu comentário é muito bem vindo

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial