This Page

has been moved to new address

RE-CRIMINALIZANDO A CRISTOFOBIA

Sorry for inconvenience...

Redirection provided by Blogger to WordPress Migration Service
Giba Net: RE-CRIMINALIZANDO A CRISTOFOBIA

sexta-feira, 13 de maio de 2011

RE-CRIMINALIZANDO A CRISTOFOBIA


(*) Por: Ewerton Torreão

Caros cidadãos cristãos, não seria a hora de propor "a nossa" PLC tambem?


PLC “777”/2011: RE-CRIMINALIZANDO A "CRISTOFOBIA"

Segundo a Declaração Universal dos Direitos Humanos de 1948 qualquer indivíduo tem direito de manifestar os elementos de sua religião em sociedade, seja pelo ensino filosófico ou pela conduta relacionada. E similarmente a Constituição Brasileira de 1988 (no artigo 5º) reafirma esta liberdade detalhando que nenhum cidadão poderia ter seus direitos desrespeitados, reduzidos ou cancelados por demonstrar fé em alguma doutrina.

Logo (teoricamente) não seria necessário criar um projeto de lei para criminalizar idéias ou condutas anti-cristãs; pois deveria ser óbvio que qualquer pessoa pode acreditar nos ensinamentos Bíblicos sem ser discriminado direta ou indiretamente. Mas parece que se pode propor projetos de leis que contradigam isso descaradamente; então se torna necessário reafirmar a devida criminalização da “cristofobia” também por força de lei.

Sabe-se que uma das bases de fé mais tradicionais das religiões desenvolvidas a partir no Novo Testamento é a “doutrina do Pecado”. Os cristãos ensinam isto primordialmente, pois é um dos detalhes mais importantes para se ter êxito ou fracasso na prática religiosa (após confessar Jesus como Senhor): só iria ao Céu (fugindo do Inferno) os que reconhecerem, evitarem ou se arrependerem de pecados. Logo este peculiar elemento pode retirar o maior bem que um cidadão cristão julga ter nesta vida, maior que sua própria vida: a Eterna Salvação.

Porém, alguns parecem entender que -sendo o Estado laico- não deveria se atentar para certas “sutis discriminações” dos cidadãos cristãos. Alguns membros do movimento GLBT acham até que se deve processar um profissional cristão que recuse vender seus serviços a estes, mesmo se ele seja contrário à sua consciência: ou seja, ainda que se entenda estar cooperando com o Pecado, julgam que o profissional (cristão) ainda teria obrigação de ser constrangido a fazê-lo. Ora, para o GLBT um fotógrafo ou cinegrafista não teria opção de se recusar a registrar um evento para promover a Sodomia, nem um dono de salão ou pastor/padre de igreja poderia se negar a alugar/ceder seu ambiente para um casamento gay. Para esta “minoria” não se admite que qualquer indivíduo possa sequer expressar sua recomendação religiosa de abdicar dos “pecados sexuais”, nem mesmo orientar seu próprio filho para este fim.

Estamos numa democracia e não numa ditadura, caros cidadãos: Temos até o direito de Pecar! Ainda que alguns pecados sejam também crimes, pode-se praticar e assumir as conseqüências. Afinal, qualquer cristão é capaz de conviver com pecadores, pois se entende primariamente que todos somos (pecadores): apenas que uns reconhecem e outros não. Mas parece que simpatizantes GLBT são incapazes de conviver com cidadãos cristãos sem tentar oprimi-los. E embora se respeite o direito destes usufruírem de todos os pecados (em ambientes adequados), não se abdica jamais do direito de dizer o que são para o cristianismo e nem de sermos protegidos de contemplar atos desta natureza (pecaminosa) em ambientes públicos.

Afinal, qualquer cidadão tem autonomia de combater idéias ou condutas (e não pessoas) que sejam desrespeitosas ao seu credo ou ideologia. Porém querem tirar até este Direito dos cristãos e exaltar (com super-direitos) os de uma minoria que insiste em pisar nos direitos de muitos para ter o que é seu. Então segue aqui um micro-rascunho de PLC a ser lapidado por dezenas de milhões de Brasileiros cristãos (que tem direito de evitar o pecado):

*Aquele que impedir ou restringir a expressão de fé em doutrinas bíblicas, inclusive as que definem Pecados para o Cristianismo; estará sujeito a pena de reclusão de 1 a 3 anos.

*Aquele que fizer manifestação de afetividade desrespeitosa ou despudorosa aos cidadãos cristãos em locais públicos ou privados abertos ao público estará sujeito a pena de reclusão de 2 a 4 anos e multa.

*Aquele que injuriar um cidadão, acusando-o de criminoso ou intolerante ou mesmo praticar, induzir ou incitar a discriminação deste por demonstrar sua crença nas doutrinas bíblicas, inclusive nos pecados sexuais; estará sujeito a reclusão de 3 a 5 anos e multa.

E.T.F.M(um simples médico de São Paulo)


(*) Ewerton Torreão é Médico Sanitarista

Marcadores:

7 Comentários:

Às 14 de maio de 2011 08:41 , Blogger José Massucatti Neto disse...

Concordo..cada faz com o que tem o que quer...porém deixar de forncecer produto ou serviço, por diferença de opiniões religiosas, diferença de ideologias politicas, opções sexuais, atividade profissional, nacionalidade ou etnia é sim discriminção. Não sou contra homossexuais ou não homossexuais,sou contra a promiscuidade e atos que ofendam a moral e agridam as pessoas, sejam eles hetero ou homo. Também não concordo em criminalizar as pessoas que por seus principios, sejam eles quais forem, não concordem e expressem seus pontos de vista (de forma racional observo), sobre a conduta sexual de um grupo. quanto a termos violencia e revolta, não será pela existência de homossexuais, heterossexuais, catolicos, protestantes ou pela existencia de qualquer que seja a crença ou conduta, teremos violência por um simples motivo....INTOLERÂNCIA... como há na Irlanda, como houve na alemanha e como há em tanto recantos pelo mundo em que as diferenças não são repseitadas.

 
Às 14 de maio de 2011 08:54 , Blogger 1k2 disse...

Que beleza...
Agora os gays estão oprimindo os cristãos...
Daqui a pouco serão os negros que estarão oprimindo os cristãos simplesmente porque é vilipêndio religioso invadir terreiros de candomblé e umbanda...
Depois quem será que vai oprimir os "cristãos", a FUNAI por permitir as práticas "ímpias" e "idólatras" dos indígenas que não conhecem "a verdade"?
Façam-me o favor, depois de anos oprimindo quem não segue seus preceitos, vêm agora com essa choradeira sem justificativa. Se a sua religião é contra o homossexualismo, isso deve ficar dentro do foro íntimo de cada um e deve ser no máximo dito dentro de cada igreja.
Aqui fora, o Estado é laico e deve estender os direitos a TODOS os cidadãos. O perigo de vocês "cristãos", que dizem que pregam a palavra de Cristo mas que na verdade oprimem quem não segue o seu modo de vida, podem voltar a caçar quem não se enquadra no seu modo de viver.
Em alguns países árabes tem a chamada Sharia, que são as leis muçulmanas que todo homem e mulher deve seguir. Acontece que há minorias cristãs que são perseguidas ou obrigadas a viver sob a lei criada por mulçumanos. E é isso que vocês pretendem aqui. Um exemplo foi uma brincadeira entre duas amigas em uma faculdade que foi parar na delegacia. A policial interpretou a cena como uma indecência deu voz de prisão às duas por ato obsceno. E só foi um selinho e as duas meninas são hetero. Isso só para ficar no exemplo. Se colocarem esse tipo de lei, vítimas de estupro poderão ficar sem assistência já que médicos, delegados, psicólogos e policiais católicos podem se recusar a atendê-las por motivos religiosos. O Estado então deixará de ser laico para ser "cristão", e quem não é "cristão" deixará de ser cidadão. Lindo o futuro que vocês querem para o Brasil, anos de lutas para estabelecer direitos a todos os cidadãos, e vem meia dúzia de pastores evangélicos neopentecostais querendo por tudo isso abaixo.

 
Às 14 de maio de 2011 14:50 , Blogger José Massucatti Neto disse...

*Aquele que impedir ou restringir a expressão de fé em doutrinas bíblicas, inclusive as que definem pecado para o cristianismo; estará sujeito a pena de reclusão de 1 a 3 ano.

*Aquele que fizer manifestação de afetividade desrespeitosa ou despudorosa aos cidadãos cristãos em locais públicos ou privados abertos ao público estará sujeito a pena de reclusão de 2 a 4 anos e multa.

*Aquele que injuriar um cidadão, acusando-o de criminoso ou intolerante ou mesmo praticar, induzir ou incitar a discriminação deste por demonstrar sua crença nas doutrinas bíblicas, inclusive nos pecados sexuais; estará sujeito a reclusão de 3 a 5 anos e multa.

Isso não parece algo lá do Taliban?
O estado deve ser laico, quando legisladores se dividem em bancadas gays e dos não gays, bancada negras e dos não negros e assim por diante, e se preocupam tanto com isso, certos assuntos realmente importantes como: a reforma politica, a miséria, falta de educadores, saúde precária algo está errado, acho que se perderam no meio do caminho do processo democratico e pior perdem com isso nosso tempo e dinheiro.

 
Às 14 de maio de 2011 22:10 , Anonymous Ebrael Shaddai disse...

Bem, fico pensando: e se a adúltera que Jesus salvou habilmente do apedrejamento fosse um gay? Ele estaria salvando o gay e ao mesmo tempo abonando o homossexualismo?? Não! Ele diria o mesmo ao gay que disse à adúltera: "Vá e não tornes a pecar!". Jesus não seria, nem eu o sou, inimigo dos homossexuais. Acho que Jesus seria (pois era Rabi da Lei mosaica), e eu sou também, avesso à homossexualidade, por razões comuns à maioria dos que aqui estão.

Combate-se ideias contrárias nós, mas não nossos irmãos gays, que são humanos e pecadores, como todos nós somos!

Abçs e bom fds a todos!

 
Às 15 de maio de 2011 21:09 , Anonymous Anônimo disse...

Eu tenho uma curiosidade, já que está no contexto, fiz essa mesma pergunta no yahoo, e delataram.
Perguntar não ofende.
Vamos lá:
Os Ministros que votaram a favor da união estavel, são casados? Se a resposta é sim, eis a minha curiosidade. São casados com pessoas do mesmo sexo, ou com pessoas de sexo oposto? Alguem se habilita a perguntar a eles?

 
Às 15 de maio de 2011 21:17 , Blogger Giba disse...

Meu caro amigo anônimo, os políticos que votaram esta lei são casados, mas o que importa para eles não é a questão em sí, mas os votos que vão ganhar dos GLBT's nas próximas eleições.

 
Às 26 de junho de 2011 20:57 , Anonymous Anônimo disse...

Realmente precisa-se de um estatuto das religiões para proteger de discriminações relacionadas a fé, como o proposto na PLC122. Pode falar que gosta de maconha, que usa maconha e que se possível todo mundo devia ter direito de fumar seu baseado, inclusive em lugares públicos (como um fumante tradicional)... ou seja, pode-se falar a favor de crimes como o uso de drogas... mas nao se pode dizer que homosexualismo é pecado, abominação ou prática maligna segundo a tradição religiosa predominante ? Engraçado,Por que só o LGBT promovem este tipo de desrespeito a constituição, de desejar super-direitos para si e super-limitações para os outros ? Fora que querem até bolsas e cotas especificas para pessoas com comportamentos gays em faculdades e concursos públicos... parece até piada, mas realmente é o que a liderança LGBT quer !

 

Postar um comentário

Seu comentário é muito bem vindo

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial