This Page

has been moved to new address

Que é o Foro de São Paulo?

Sorry for inconvenience...

Redirection provided by Blogger to WordPress Migration Service
Giba Net: Que é o Foro de São Paulo?

sexta-feira, 27 de fevereiro de 2009

Que é o Foro de São Paulo?

Por: Alejandro Peña Esclusa

Interrogado pelos jornalistas, Raúl Reyes, líder guerrilheiro colombiano, admitiu em sua recente visita à Venezuela que as FARC formam parte do chamado Foro de São Paulo. Vejamos a que se referia.
Depois da queda do Muro de Berlim em 1989 e da derrubada do comunismo na ex-União Soviética, Fidel Castro decidiu substituir o apoio que recebia do Bloco Oriental pelo de uma transnacional latino-americana. Aproveitando o poder parlamentar que tinha o Partido dos Trabalhadores (PT) no Brasil, Fidel Castro convocou em 1990, junto com Luis Inácio “Lula” da Silva, todos os grupos guerrilheiros da América Latina a uma reunião na cidade de São Paulo. Além do próprio PT e do Partido Comunista de Cuba, acudiram ao chamado o Exército de Libertação Nacional (ELN) e as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC); a Frente Sandinista de Libertação Nacional (FSLN) da Nicarágua; a União Revolucionária Nacional da Guatemala (URNG); a Frente Farabundo Martí de Libertação Nacional (FMLN) de El Salvador; o Partido da Revolução Democrática (PRD) do México; e várias dezenas mais de grupos guerrilheiros e partidos de esquerda da região que iam se juntando ao longo dos anos, como o Exército Zapatista de Libertação Nacional (EZLN) do México. Alí decidiram formar uma organização que se autodenominou Foro de São Paulo. Para dirigi-lo centralizadamente, criaram um Estado Maior civil, dirigido por Fidel Castro, Lula, Tomás Borge e Frei Betto, entre outros, e um Estado Maior militar, comandado também pelo próprio Fidel Castro, o líder sandinista Daniel Ortega, e no qual tem um papel importante o argentino Enrique Gorriarán Merlo.

Gorriarán Merlo foi fundador do Exército Revolucionário do Povo (ERP) e posteriormente do Movimento Todos pela Pátria (MTP). Gorriarán Merlo é o autor do ataque terrorista de janeiro de 1989 ao regimento de infantaria La Tablada, em Buenos Aires, no qual morreram 39 pessoas, e foi quem encabeçou a esquadra que assassinou Anastasio Somoza em Assunção, Paraguai, em setembro de 1980. Gorriarán Merlo também organizou a maquinaria militar do Movimento Revolucionário Tupac Amaru (MRTA), o mesmo que há alguns anos tomou a residência do embaixador japonês em Lima.

O Foro de São Paulo tem um sistema de comunicação permanente, e até produz uma revista trimestral própria, denominada América Livre. Estabeleceu uma forma sólida e permanente de financiamento, baseada em sequestro, roubo de gado, cobrança de impostos, assaltos a bancos, pirataria, narcotráfico e demais atividades ilegais que rotineiramente praticam os grupos guerrilheiros na América Latina.
Tendo em vista que o marxismo dos anos sessenta já estava caduco e desprestigiado, os diretores do Foro de São Paulo decidiram adotar formalmente diversos disfarces: um foi o do indigenismo, ou a suposta luta pelos direitos dos indígenas, para encobrir a formação de grupos guerrilheiros (Exército Zapatista de Libertação Nacional), e também a promoção do separatismo, argumentando que os territórios ocupados pelas tribos indígenas são próprios e não do Estado nacional. Outro foi o do ecologismo radical que, alegando a proteção do meio ambiente, justificou a ação de terroristas que obstaculizaram o avanço do Estado em obras públicas de infra-estrutura como rodovias e tensão elétrica. E finalmente, o de uma versão extremista da chamada Teologia da Libertação (Frei Betto, Leonardo Boff, Paulo Evaristo Arns), com o objetivo de dividir a Igreja Católica e justificar a violência com argumentos supostamente cristãos.

Segundo um informe da AP, datado em Montevidéu, Hugo Chávez se inscreveu no Foro de São Paulo em 30 de maio de 1995. Isto foi confirmado por Pablo Beltrán, líder do ELN, em uma entrevista realizada pela Globovisión em 17 de novembro de 1999.

Financiamento do narcotráfico

Há quatro anos o investigador colombiano Jesús E. La Rotta publicou um livro intitulado As Finanças da Subversão Colombiana, no qual revela os resultados de suas investigações sobre as fontes de financiamento das FARC, do ELN e do EPL. Fazendo uso de numerosos gráficos e tabelas, La Rotta identifica seis formas ou modos gerais por meio dos quais os guerrilheiros colombianos obtêm entrada de dinheiro, a saber: a extorsão em menor escala, como os impostos, o bilhete e a cobrança de pedágios, de onde obtêm um total de 1.030 milhões de dólares ao ano; a extorsão em grande escala a empresas nacionais e multinacionais nos diversos setores como o petroleiro, agrícola, pecuário, industrial, comercial e financeiro, de onde arrecadam 5.270 milhões de dólares anuais; o abigeato ou roubo de gado, de onde recolhem 270 milhões de dólares anualmente; os assaltos, por meio dos quais conseguem 400 milhões de dólares ao ano; a pirataria, seja terrestre, fluvial, marítima ou aérea, que lhes rende 150 milhões de dólares em depósitos anuais e, finalmente, o narcotráfico, de onde obtêm 1.130 milhões de dólares ao ano.

Tudo isso soma oito mil duzentos e cinqüenta (8.250) milhões de dólares ao ano, cifra muito superior aos orçamentos de todas as Forças Armadas Nacionais de todos os países andinos.

Todavia, La Rotta admite que se tratam de cifras de 1994, e explica que “os grupos subversivos, em particular as FARC e o ELN, entraram em franco processo de substituição dos cartéis da droga desmantelados e que, cumprido tal processo, se fechará o círculo do enriquecimento quando incorporarem em plenitude o produto global do narcotráfico, que pode representar-lhes depósitos de dinheiro superiores”.

Poucos meses depois de haver-se publicado o livro de La Rotta, saiu o livro O Cartel das FARC, elaborado por major colombiano Luis Alberto Villamarín Pulido, o qual alega que as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia constituem o terceiro e mais poderoso cartel das drogas.
Embora já existissem provas da vinculação do ELN e das FARC com o narcotráfico, os documentos retidos em 31 de janeiro de 1996 das quadrilhas 14 e 15 das FARC, por tropas da Brigada 12 em Paujil (Caquetá), comprometem ainda mais os guerrilheiros com o tráfico de drogas: aparecem as freqüências de VHF e inúmeros telefonemas dos capos do Cartel de Cali, assim como atas de reuniões entre as FARC e os narcotraficantes. O livro está cheio de afirmações impressionantes, como esta: “A infra-estrutura do cartel das FARC tem todos os elementos de organização e controle próprios dos bandos de mafiosos que inundam o mundo civilizado com o tráfico ilícito de cocaína, com o agravante de que ameaçam camponeses, envolvendo-os com as milícias bolivarianas e o partido comunista clandestino. A ação dos delinqüentes do cartel das FARC ultrapassa as fronteiras nacionais”.


Alejandro Peña Esclusa é o presidente da Fuerza Solidaria, a ONG que organiza os protestos populares contra o governo Hugo Chávez na Velezuela.

Marcadores:

7 Comentários:

Às 27 de fevereiro de 2009 11:15 , Anonymous Michell Niero disse...

A história conta que a humanidade sempre precisou de um protagonista e de um antagonista. Direita e esquerda; cristãos e não-cristãos; rebeldes e chiitas; bolchevies e mencheviques. São dicotomias mentirosas, reducionistas, que buscam na verdade contornar a verdadeira complexidade que é viver em sociedade.

Sou bastante cético em relação a quem bate no peito e se diz "de esquerda", assim como repudio com veemência a política liberal, economicista e egoista dos capitalistas. Sou, portanto, o que chamam de "libertário" ou "maldito". Creio que já passou da hora de pensarmos num outro modelo de cilização ou até em outros modelos de civilização, porquê não. Crer que apenas uma ideologia possa salvar o planeta é apostar no totalitarismo também, pois este despreza a pluraridade de culturas, etnias e regionalismos da humanidade.

Não vitimizo os movimentos populares mas também não os condeno. É preciso deixar claro que antes de seres pobres, temos ali seres humanos passíveis de corromper a ética por muito pouco. Somos todos carnes fracas, independente das posses materiais. Isso também não significa que todos ali estão para se aproveitar de uma bandeira ou causa e sabemos que a mídia costuma se utilizar do generalismo para brecar a força dos movimentos sociais.

Ainda acredito que a movimentação social possa ser uma via possível de mudança no quadro que observamos, desde que as laranjas podres não sejam vistas como morangos silvestres.

Um abraço

 
Às 27 de fevereiro de 2009 11:55 , OpenID gibanet disse...

Michell, o difícil mesmo é separar os morangos das laranjas podres.

 
Às 3 de agosto de 2010 01:15 , Blogger Silvana Marmo disse...

Olá Giba,
É realmente um horror. Poucos conhecem tal realidade uma vez que as informações são mínimas por aqui.
Meu carinho

 
Às 22 de janeiro de 2011 15:10 , Anonymous Lino Tavares disse...

Essa anlálise mereceria figurar como editorial dos principais jornais brasileiros, porque, como um pente fino, atinge em cheio os insetos da esquerda radical retrógrada que insistem em implantar na América Latina aquele regime totalitário que aprodreceu e caiu do pé, com a implosão do Império Soiviético, e a queda do Muro de Berlim. Sem dúvida, o Foro de São Paulo nunca passou, na realidade, de uma espécie de Comitê Central das Viúvas de Moscou. Ali se reúne o que de pior existe na política latinoamericana, com o fito de costurar golpes de estado, visando a torpedear as frágeis democracias do Continente e substituí-las por regimes de grupelhos compostos por corruptos sanguinários e déspotas da era moderna. Se vivêssemos sob a égide de um goveno sério e não comprometido com essa gente, o Foro de SP seria extinto de pleno direito, posto que mantém ligaçòes com o narcotráfico e virou uma Central Única de associação para práticas criminosas, em nome de uma ideologia que contraria frontalmente as nossas etnias e as nossas crenças religiosas.

 
Às 24 de maio de 2011 11:37 , Anonymous Anônimo disse...

O Foro de São Paulo nada mais é do que o Quartel-General dos grupos guerrilheiros comuno-traficantes, com objetivos inconfessáveis, no qual são discutidos os preparativos com vistas a um golple de estado latino-americano, visando a implar nessa parte da América aquilo que a Rússia, transformada em União Soviética, implantou no Leste Europeu, na primeria metade do século passado. Trata-se de um evento ameaçador que precisa ser acompanhado de perto e enfrentado com determinação, pelos verdadeiros democratas, sob pena de triunfar e alcançar as metas espúrias a que se destina, semelhantes àquelas derrotados pelas Forças Armadas na década de 1970.
jornalista Linoi Tavares

 
Às 24 de maio de 2011 14:38 , Anonymous Anônimo disse...

Sou marxista.

 
Às 24 de maio de 2011 14:41 , Blogger Giba disse...

Meu caro Comentarista Anônimo, o que tem a ver o fato de você ser "Marxista" com o tema "Foro de São Paulo"?

 

Postar um comentário

Seu comentário é muito bem vindo

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial