This Page

has been moved to new address

COVARDIA X VALENTIA

Sorry for inconvenience...

Redirection provided by Blogger to WordPress Migration Service
Giba Net: COVARDIA X VALENTIA

sábado, 14 de maio de 2011

COVARDIA X VALENTIA

(*) Massucatti Neto
A não-violência e a covardia não combinam. Posso imaginar um homem armado até os dentes que no fundo é um covarde. A posse de armas insinua um elemento de medo, se não mesmo de covardia. Mas a verdadeira não-violência é uma impossibilidade sem a posse de um destemor inflexível.

Mahatma Gandhi


O homem no transcorrer da história sempre teve inúmeras desculpas para iniciar um conflito, uma guerra, uma briga...as diferenças.

Ou porque a religião é diferente, ou a cor, nacionalidade etc, etc...Mas a grande verdade sobre essa intolerância se deve apenas a um fato: O MEDO. Temer o que não se conheçe, portanto do temor surge a raiva, por não conseguir compreender e me deparar com essa impotência ante algo novo crio o ódio, e ai para explodir como um ato violento e um passo, um puxar de gatilho

Será que há, como diz Ghandi, maior valentia em portar um fuzil do que em defender uma idéia, um príncipio? Será que os cristãos jogados na arena do Coliseu para morrerem por não renegarem sua fé, eram covardes por não empunharem espadas, e será que seus algozes teriam a mesma serenidade ao enfrentar tal situação?

Vivemos em um mundo em que o diálogo deu espaço ao grito, a discussão, a imposição da minha vontade sobre a sua, seja qual método for necessário. Não há mais a troca de idéias, o que existe é uma inflexibildade, o que temos hoje é muita revolução(do latim revolutìo,ónis: ato de revolver), e pouca evolução( Nova fase em que entra uma ideia, um sistema, uma ciência, etc.3. Desenvolvimento ou transformação gradual e progressiva operada nas ideias, etc.).

Um dos atos mais heróicos que já vi, foi o do estudante chinês na manifestação da praça da paz em 89, anônimo, se pos à frente de um carro de combate sem armas apenas com uma idéia e coragem, muitos dos chamados heróis, mesmo armados até os dentes correriam apavorados

Mesmo o maior tratado sobre estratégia já escrito, Arte da Guerra, deixa claro em "A espada embainhada", que ganhar uma guerra com a perda de vidas e dilapdação dos bens do estado é em sí uma derrota, e o General que coloca suas grandezas pessoais à frente do bem do estado (nação) é médiocre. Ou seja, o despojamento do ego e sempre a inteligência a frente das ações, essa seria a saída para um mundo, que mesmo com conflitos de idéias, se torne menos sangrento.

(*) Massucatti Neto é profissional de segurança privada, entusiasta de assuntos polemicos e um inestimável amigo a mais de quarenta anos.  

Marcadores:

0 Comentários:

Postar um comentário

Seu comentário é muito bem vindo

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial