This Page

has been moved to new address

O magistério foi a que mais sofreu deteriorações.

Sorry for inconvenience...

Redirection provided by Blogger to WordPress Migration Service
Giba Net: O magistério foi a que mais sofreu deteriorações.

terça-feira, 10 de agosto de 2010

O magistério foi a que mais sofreu deteriorações.


(*) Nelson Valente

De todas as atividades da sociedade, o magistério foi a que mais sofreu deteriorações. O professor foi vítima da falta de compreensão, por parte das autoridades governamentais, do papel que desempenha na sociedade. Ensinar quer dizer guiar, estimular e orientar o processo de aprendizagem. A transmissão do ensino não pode ser conformista e acomodada. Deve ser um esforço pessoal e técnico, competente no seu trabalho específico. O ensino deve despertar o interesse pelo conhecimento e estimular o impulso natural de aprender.

O problema da formação do professor do Ensino Fundamental e Ensino Médio é da maior seriedade. Os professores das séries iniciais têm seus conhecimentos pedagógicos prejudicados porque os cursos de Pedagogia ( Artº. 64 da LDBEN nº 9394/96 ) não são ministrados com a necessária profundidade e atualização. Com isso, o aprendizado ficou comprometido e a escola tornou-se passiva e enfadonha. As fontes de motivação dos alunos e dos professores foram aos poucos minguando.

A parte mais nobre e fundamental da educação, que é o contato direto e íntimo com a criança, foi desvalorizada. Não é menos verdade que os professores aceitaram com relativa passividade a degradação da qualidade do ensino, da sua renda e prestígio social, assim como não demonstraram interesse em desenvolver suas aptidões e capacidades. Por outro lado, o educador é sempre movido pelo ideal de servir.

Este artigo visa conscientizar o educador da grandeza de sua profissão para que atue como incentivador de ideias. Para o professor consciente de seu papel de protagonista no processo educacional, leva à reflexão sobre a importância de colocar suas habilidades em prol do aluno.

Este estudo surgiu da observação dos aspectos legais, da atuação como docente da Educação Básica e Universitário. A partir desta observação, constata-se que as deficiências do professor em sala de aula são múltiplas e refletindo sobre a atuação deste profissional procuramos literaturas pertinentes a metodologia e prática de ensino, tais como: decretos, leis, pareceres, resoluções, indicações, deliberações, livros didáticos e paradidáticos, revistas e jornais especializados, artigos, ensaios e materiais pedagógicos, bem como relatos de profissionais na área de educação, alunos e pais, que possibilitaram o entendimento e a reflexão na concepção deste trabalho. É um trabalho didático porque discute a postura do professor em sala de aula, explica uma metodologia e sugere atividades. A instrução não pode ser mecânica e arbitrária. É preciso que ajudemos a criança a encontrar significado no aprendizado. Sendo assim, o professor deve adotar procedimentos facilitadores da aprendizagem.

A aula expositiva tem sofrido sérias restrições como principal recurso da educação bancária: o professor - que é quem sabe - transmite o seu saber e o aluno - quem tem que aprender - recebe passivamente o conhecimento.

O professor consciente, que quer estabelecer um outro tipo de relação com o aluno, pode fazê-lo mesmo usando a técnica da aula expositiva. Muitos fatores podem auxiliar o professor a desenvolver a técnica de uma forma dinâmica, em que haja trocas de experiências entre todas as pessoas envolvidas: conhecimento da matéria, estímulo à atenção, linguagem didática, concretização das ideias e observação do aluno, portanto a aula expositiva pode ser enriquecedora e dinâmica desde que o professor conheça bem o conteúdo, consiga prender a atenção dos alunos, utilize a linguagem didática com todos os seus recursos, procure tornar as ideias concretas e, o mais importante, certifique-se de que os alunos estão aprendendo realmente.

(*) é professor universitário, jornalista e escritor

Marcadores: , , ,

6 Comentários:

Às 10 de agosto de 2010 21:35 , Blogger Sobre Educação disse...

Excelente ,

Valeu pela importância de publicar !

 
Às 10 de agosto de 2010 22:33 , Anonymous Rose disse...

Giba,acredito que uma instituição motivadora é aquela que respeita o aluno, os seus ideais; vai além do banco da escola, difunde conhecimentos privilegiados, conduz sua didática num caminho de resultados... É mais que colocar informação nos cérebros: é colocar inspiração no coração e desenvolver a crença de que o aluno poderá construir uma brilhante carreira com o curso que está vivenciando.

Ser professor, mais que uma carreira, eu acredito que seja uma missão, que exige total conhecimento de aptidão e desenvolvimento de competência, sou professora formada mas não exerci minha profissão por questões financeiras, segui outro caminho, mas admiro e respeito essa profissão mais do que ninguém.

Aluno não pode desmotivar dentro do conceito educacional porque ele é o motivo do professor estar lá. Quando um professor acredita que os alunos estão tirando seu entusiasmo de dar aulas, é o momento dele refletir e se questionar: (1a) O que devo parar de fazer, (2a) O que não estou fazendo, e (3a) O que devo fazer?

Um professor desta nova era da educação, deve desenvolver competências e habilidades não só na matéria que ministra, mas em relacionamento e comportamento dos alunos; conhecer mais sobre este item causa mudança de paradigmas, mudança de atitudes, mudança de conceitos, mudança de hábitos, que são necessárias para estabelecer um relacionamento nutritivo, que motive não só o aluno como também o professor.

Ao longo da história, sinto que faltou aos professores um pouco de ousadia. É evidente que a profissão em termos de remuneração, principalmente na Rede Pública precisa ser revista. Vencer essa dificuldade requer criatividade, foco em buscar novos mercados, abandonando sua zona de conforto.
Hoje não basta o professor ser inteligente, ele tem de ser criativo. Uma pessoa inteligente inventou a roda. "Uma pessoa criativa colocou um eixo entre duas rodas".
Boa a matéria do Valente, abraço grande

(Rose)

 
Às 11 de agosto de 2010 00:07 , Blogger Silvana Marmo disse...

Olá Giba,
Gostaria de começar como aluno, voce viu que nós ganhamos parabéns do amigo Assis???
Eu acredito que é pela educação que a gente muda as coisas. É pela educação que a gente vai conseguir combater a corrupção, dizendo para as pessoas não votarem nos corruptos. “Vejam quem é corrupto. O candidato que é corrupto, você não vota nele.” Os fichas-sujas não deveriam ser candidatos.
Vejo hoje o professor com missão de educador como um orientador, envolvido e comprometido, um testemunho vivo de que podemos evoluir sempre, tornando-nos mais humanos, mostrando que vale a pena viver. Exercer uma das mais refinadas profissão do Universo é um privilégio, uma oportunidade Divina de expressar e saber que a Inteligência Infinita é o seu guia constante e seu conselheiro. É uma arte, missão de evoluir a consciência humana. A realidade sempre nos proporciona elos que nos marcam profundamente o descobrir, mesmo que seja um dia de cada vez.
A família, a escola e o professor em particular têm uma responsabilidade extraordinária na formação e no aperfeiçoamento da pessoa como ser integral. O educador constrói e deve estar comprometido com as pessoas, não somente com o conhecimento, mas com o bom uso desses conhecimentos que servirão como luz para iluminar e alimentar toda a existência. Ser educador é ter percepção, impulso vital para a sobrevivência, trabalhar o desconhecido que mora dentro de cada educando, de modo que se possa evoluir nesta grande Teia da Vida.
É assim que educadores com uma ética planetária, credibilidade e uma visão construtiva da vida contribuem muito para dias melhores e que os alunos se sintam motivados a continuar, a querer aprender, a aceitar-se melhor e aceitar as diferenças e que a vida realmente tem mais aspectos positivos que negativos, que realmente podemos realizar-se cada vez mais e ser luz e harmonia que ecoa na construção de um mundo melhor. Graças a este seu trabalho missionário é que quando pensamos em educação costumamos pensar no outro, que somos profissionais do ensino e também da aprendizagem, porque o saber não ocupa espaço, abre.
Meu carinho

 
Às 11 de agosto de 2010 02:31 , Blogger Dú Pirollo disse...

Caro amigo Giba, infelizmente em nosso país não se dá o verdadeiro valor para aquele que é a base para o crescimento das pessoas e do próprio país. O crescimento de uma nação, em todos os sentidos, começa com a educação, é primordial para o conhecimento e desenvolvimento dos jovens que vão formar futuramente este país. Infelizmente não se dá ao professor o valor que merece. Parabéns pela excelente postagem, bom para que todos reflitam... Abraços e muita paz!!!

 
Às 11 de agosto de 2010 10:29 , Blogger Mr.Jones disse...

abordou com excelência o tema.
abçs amigo

 
Às 11 de agosto de 2010 11:01 , Blogger Balaio Variado disse...

Infelizmente falta tudo para a nossa educação...
Falta a valorização financeira, falta o estímulo ao professor, falta cultura ao professor e etc
É uma bola de neve e com certeza vivemos o resultado da falta de atenção aos que lidam com a parte que é a base de tudo. Educação, cultura, artes...

Bjs
Balaio Variado

 

Postar um comentário

Seu comentário é muito bem vindo

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial