This Page

has been moved to new address

Enquanto as Rãs Coaxam...

Sorry for inconvenience...

Redirection provided by Blogger to WordPress Migration Service
Giba Net: Enquanto as Rãs Coaxam...

terça-feira, 28 de setembro de 2010

Enquanto as Rãs Coaxam...

(*) Nelson Valente

Enquanto as rãs coaxam, assiste-se à discussão pública em segurança em torno da implantação de penitenciárias de segurança máxima, em vários pontos do país. Enquanto se pensa na segurança máxima, a preocupação com a educação é mínima, reduzida a questões burocráticas.

Enquanto isso, não há uma solução à vista para a crise de menores carentes, que são 3 milhões em São Paulo. Pior ainda é a situação dos menores abandonados, cerca de 230 mil.

O que se pode esperar desses meninos de rua? O assistencialismo oficial protege meia dúzia deles, mas o número é impressionante e a falta de perspectivas é total. Não há escolas suficientes, não há empregos em nível intermediário, não há valores familiares a cultuar, só resta a marginalidade, com todo o seu séquito de problemas a serem enfrentados pela nossa assustada sociedade.

Um jornal de São Paulo deu-se o luxo de fotografar, durante dias seguidos, a operação de alguns desses meninos num movimentado trecho dos Jardins. Eles se constituem em bando, onde sempre aparece um maior para orientar os roubos ou furtos, vitimando distraídos motoristas em plena Avenida Brasil.

Conversei com uma autoridade policial e a explicação veio com muita objetividade: não adianta prender, pois eles são “de menor”, e logo serão soltos para reiniciar a sua faina. Detalhe apavorante: têm a média de 10 anos e, nas conversas, revelam um precoce e triste desprezo pela vida humana.

Estão fazendo vestibular para se tornar os grandes assaltantes de amanhã. Sob as vistas complacentes das autoridades e até mesmo de muita gente fina da nossa melhor sociedade, que acha tudo isso natural numa democracia.

Um aspecto que é preciso enfatizar: a grande maioria dos delinqüentes infantojuvenis provém de lares desfeitos ou que jamais se constituíram como tal. Quando se luta para que a educação seja dada no lar e na escola, como tantas leis determinaram, o que se vê na prática é a ruptura desse princípio – e os resultados são rigorosamente catastróficos.

Gostaria de voltar à prioridade de recursos para a atenuação dos graves problemas sociais que enfrentamos.

Ninguém pode condenar a ideia de se ter penitenciárias com o rigor desejado, nesse eufemismo da “segurança máxima”. O que pleiteiam os educadores e os homens de bom senso é a solução de base, ou seja, escola para todos – educação máxima – a fim de que não se tenha de chorar a impiedosa ação dos marginais, hoje os verdadeiros donos das ruas e favelas das nossas grandes metrópoles.

(*) é professor universitário, jornalista, escritor e amigo inestimável.

Marcadores: ,

1 Comentários:

Às 28 de setembro de 2010 15:26 , Anonymous Rose disse...

É Giba, vc sabia que as estatísticas mostram que 75% destas crianças têm laços familiares e você sabia que existem já famílias formadas na rua que continuam a morar na rua? Famílias que continuam a dormir sob jornais, a comer o lixo do luxo desta elite brasileira que lava as mãos para estes agravos nacionais.

Onde está a raiz do problema? Nas migrações para grandes centros urbanos, mão-de-obra sem qualquer qualificação, prole numerosa, habitação deficiente, promiscuidade sexual, abuso sexual, degradação da família e desmazelo do Estado. Muitas são assassinadas na rua, às vezes grupos inteiros.

É doloroso dizer isto mas, enquanto nós dormimos tranquilamente na nossa cama macia, tem uns anjinhos, que não pediram para vir ao mundo, dormindo na praça, com a barriga roncando de fome. E isto não é poesia ! Isto é falta grave, é desleixo, é crime. Criança tem que ter casa, comida, educação e carinho.
Excelente post Nelson, abraço aos dois, rs
Rose*

 

Postar um comentário

Seu comentário é muito bem vindo

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial