This Page

has been moved to new address

Geração Z

Sorry for inconvenience...

Redirection provided by Blogger to WordPress Migration Service
Giba Net: Geração Z

quinta-feira, 21 de julho de 2011

Geração Z

Geração Touch, um desafio da modernidade


Por: Gil de Marqui


Quando eu era criança muitas coisas já eram modernas e eu nem sabia. Em casa tínhamos uma TV colorida na sala, um microondas (que usávamos normalmente para esquentar o leite) e um aparelho de som antigo que mais tarde seria substituído por outro que tocava CDs.

Depois de certa idade ganhei de presente um bichinho virtual que precisava ser alimentado a cada duas horas para não morrer.

Sentávamos para assistir a novela e (ainda que não estivéssemos ao redor de uma mesa) costumávamos jantar todos juntos, meus pais, meus irmãos e eu.

Lembro de ouvi-los comentando sobre uma época na qual certas tecnologias não existiam e notar suas caras de espanto ao ver os inventos anunciados pelos jornais.

Eu ria de como eles achavam incríveis as coisas que para mim eram extremamente normais. Nunca pensei que um dia sofreria deste mesmo mal e devo confessar que lidar com esse tal "choque de gerações" não é fácil.

Não quero falar das crianças que não sabem o que é esperar dias para revelar uma foto, nem muito menos daquelas que não fazem idéia do que é colocar uma ficha no orelhão, afinal, isso já não faz parte da nossa vida há certo tempo mesmo. Quero mais é falar da angústia que sinto ao ver o quanto as coisas acontecem rápido para essa molecadinha da geração Z e afins.

Lembra quando precisávamos ouvir rádio FM o dia inteiro até que tocassem aquela música nova? Pegávamos uma fita K7 virgem e gravávamos para ouvir mais tarde. Quanto trabalho!

Pois é, as coisas mudaram em uma velocidade assustadora. Você já reparou quantas coisas são resolvidas com apenas um clique?!

Quer uma pizza? Peça pela internet.

Vai pagar contas? Utilize o celular.

Está precisando desabafar? Fique online na rede social e descasque todos os seus abacaxis.

Perdeu a transmissão daquele filme fantástico? "Baixe-o" agora mesmo.

Não sabe o que é um "arrabalde"? Procure no Google e ele te dirá. Não ficou claro? Entre na galeria de imagens.

Não gostou do que o repórter disse na TV? Deixe um comentário destilando todo o seu ódio e ele será praticamente obrigado a se retratar.

Sem contar o MP3, o HD, o ar condicionado que migrou para o carro e outras milhares de coisas.

Há alguns dias fiquei de queixo caído quando a filha de uma amiga de apenas um ano e meio de idade pegou o celular e fuçou nos botõezinhos até colocar na área de jogos. A amiga disse que isso sempre acontece porque a garotinha gosta de ouvir a música que o jogo tem.  Aprendeu sozinha.

Pois bem, o mundo está evoluindo e até agora não contei nenhuma novidade. Mas tenho medo de onde as relações humanas vão parar já que as pessoas não precisam mais fazer algo essencial para fazer valer a vida em sociedade: O diálogo.

Se um garoto qualquer tem um Iphone 4, um PSP, um X Box (pra dar aquela variada) e um computador de última geração, a que horas conversa com os pais ou amigos? Quando olha nos olhos de alguém? Em que momento interage com os demais? Como aprende que nem tudo o que desejar vai acontecer após um clique? Onde é que vai cultivar a paciência?

Não estaria a tecnologia criando uma porção de monstros mimados?

Quando as coisas "saem dos eixos" e pais e filhos matam-se (literalmente) por motivos banais, aparecem demagogos de todos os lados pra dizer que as pessoas estão cada vez mais frias e esquecendo-se da religião e bons costumes, mas, antes de tudo isso acredito na força de um bom bate-papo, de um abraço sincero e até mesmo uma bronca com olhar de desaprovação seguida de castigo. Será possível transmitir valores familiares virtualmente? Como é que se constrói afeto via SMS?

Quero deixar claro que não sou contra a evolução e a tecnologia. Aposto que o uso moderado de tantas boas novas podem servir para reiterar relações, mas não podem ser o único meio de participação no mundo. Afinal, de que adianta saber o que acontece do outro lado do mundo se não se sabe o que acontece com os outros habitantes de sua própria residência?

Se você acha difícil lidar com seus colegas de trabalho nos dias de hoje, espere até esses garotos crescerem e alguém lhes pedir que trabalhem em equipe e tenham paciência para resolver as mais diversas situações. Aí eu quero ver!

¹Nota da autora: Geração Z é formada por pessoas nascidas a partir dos anos 90.

*É formada em jornalismo, apaixonada por artes e grande observadora de pessoas

Marcadores: , ,

2 Comentários:

Às 22 de julho de 2011 10:58 , Anonymous Suelem disse...

Realmente...penso da msma forma...
Não sei até onde isso vai parar, cada dia mais estamos vivendo artificialmente e dependentes dessa tecnologia toda. Acho que éramos mais felizes e saudáveis quando tudo isso era mais devagar

 
Às 22 de julho de 2011 11:47 , Blogger Alininha disse...

A ausência do 'virtual' em nossa infância, nos fez com que crescessemos sem traumas, sem violência, vivendo intensamente nossos momentos. Hoje em dia não se sabe o que é brincar de pega-pega na rua, a tarde toda, todo esbaforido e com aquela dorzinha na costela, de ladinho, lembram-se? Saudades daquele tempo! Sábio quem conseguir fazer com que seus filhos sintam esse gostinho!!

 

Postar um comentário

Seu comentário é muito bem vindo

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial