This Page

has been moved to new address

Rio de Janeiro: Violência Banalizada e Naturalizada

Sorry for inconvenience...

Redirection provided by Blogger to WordPress Migration Service
Giba Net: Rio de Janeiro: Violência Banalizada e Naturalizada

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Rio de Janeiro: Violência Banalizada e Naturalizada


(*) Nelson Valente

Ninguém pode condenar a ideia de se ter penitenciárias com o rigor desejado, nesse eufemismo da "segurança máxima". O que pleiteiam os educadores e os homens de bom senso é a solução de base, ou seja, escola para todos – educação máxima – a fim de que não se tenha de chorar a impiedosa ação dos marginais, hoje os verdadeiros donos das ruas e favelas das nossas grandes metrópoles.

Os assaltos são sucessivos, não se tem garantia de nada, mata-se por qualquer bobagem. A droga comanda as ações desses celerados. Vivemos num país com enormes desigualdades sociais, com altos índices de desemprego e não se espere que não tenhamos um preço a pagar por isso.

Uma das realidades mais tristes do nosso país é a verificação de que se trata mesmo de uma nação de muitos contrastes. Cidades desenvolvidas e com um nível de vida apreciável convivem com outras, totalmente desassistidas, onde a pobreza, a ignorância, a violência e a miséria fazem parte de seu cotidiano.
Os próprios governantes brasileiros reconhecem que, em virtude da incidência de muitos crimes, os governos são obrigados a dedicar grandes somas às polícia e ao sistema judiciário. Melhor fariam, é claro, se pudessem colocar esses recursos para melhorar o atendimento educacional, oferecendo uma solução de raiz, que falta ao Brasil.

Não pode haver indiferença do Estado, enquanto cresce essa lamentável criminalidade. Se o cidadão fica responsável pela sua própria defesa, fazendo justiça por conta própria, com a privatização do poder de polícia, corremos o risco de uma guerra civil. Não é isso que se deseja – e certamente a solução passa por uma educação de boa qualidade estendida a todos.

Nas grandes cidades brasileiras, vidas são sacrificadas por balas perdidas, o tráfico tornou-se uma atividade quase oficial, tamanha a estrutura hoje existente do que se convencionou chamar de crime organizado.

Armas são roubadas para coonestar uma ação que se estende de forma tentacular. Qual a solução para esse quadro dramático?

O exercício pleno da autoridade, que se tem omitido de forma lamentável, e uma ampla campanha de esclarecimento para a população do Rio de Janeiro. De outra forma, estaremos caminhando para o sacrifício de toda uma geração.

Enquanto as rãs coaxam, assiste-se à discussão pública em segurança em torno da implantação de penitenciárias de segurança máxima, em vários pontos do país. Enquanto se pensa na segurança máxima, a preocupação com a educação é mínima, reduzida a questões burocráticas.

Enquanto isso, não há uma solução à vista para a crise de menores carentes, que são 3 milhões em São Paulo e Rio de Janeiro. Pior ainda é a situação dos menores abandonados, cerca de 230 mil.

O que se pode esperar desses meninos de rua? O assistencialismo oficial protege meia dúzia deles, mas o número é impressionante e a falta de perspectivas é total. Não há escolas suficientes, não há empregos em nível intermediário, não há valores familiares a cultuar, só resta a marginalidade, com todo o seu séquito de problemas a serem enfrentados pela nossa assustada sociedade.

Um jornal de São Paulo, deu-se o luxo de fotografar, durante dias seguidos, a operação de alguns desses meninos num movimentado trecho dos Jardins. Eles se constituem em bando, onde sempre aparece um maior para orientar os roubos ou furtos, vitimando distraídos motoristas em plena Avenida Brasil.

Conversei com uma autoridade policial e a explicação veio com muita objetividade: não adianta prender, pois eles são "de menor", e logo serão soltos para reiniciar a sua faina.     Detalhe apavorante: têm a média de 10 anos e, nas conversas, revelam um precoce e triste desprezo pela vida humana.

Estão fazendo vestibular para se tornar os grandes assaltantes de amanhã. Sob as vistas complacentes das autoridades e até mesmo de muita gente fina da nossa melhor sociedade, que acha tudo isso natural numa democracia.

Um aspecto que é preciso enfatizar: a grande maioria dos delinquentes infanto-juvenis provém de lares desfeitos ou que jamais se constituíram como tal. Quando se luta para que a educação seja dada no lar e na escola, como tantas leis determinaram, o que se vê na prática é a ruptura desse princípio – e os resultados são rigorosamente catastróficos.

Está na hora de mudar isso. A educação é o caminho, antes que o país afunde de vez na ignorância, miséria e violência.

Aceitar que a violência possa ser banalizada e naturalizada é uma tentativa de diluir o seu impacto, seu terror; de se evadir de seus efeitos, de não se implicar com a existência de suas manifestações e com as possibilidades, por pequenas que sejam, de sua transformação. "Esta banalização da violência é, talvez, um dos aliados mais fortes de sua perpetuação. Resignado à ideia, inculcada pela repetição do jargão de que somos 'instintivamente violentos', o homem curva-se ao destino e acaba por admitir a existência da violência, como admite a certeza da morte. A virulência deste hábito mental é tão daninha e potente que, quem quer que se insurja contra este preconceito, arrisca-se a ser estigmatizado de "idealista", "otimista ingênuo" ou "bobo alegre".

Como sobrevivemos nós a um cotidiano tão ameaçador para a vida? Que custo isso nos traz? Estes que morrem nas ruas, nas chacinas, nos assaltos, não são nossos parceiros de guerra?

Aceitar que a violência possa ser naturalizada é uma tentativa de diluir o terror que ela provoca, de se submeter aos seus efeitos, e de não se implicar com as possibilidades, mesmo pequenas, de sua transformação.

Que a violência aterrorize e que diante de uma cena assim todos pareçam dizer: "já que não é comigo não vou me meter", que a solidariedade desapareça por um risco de se expor a própria vida, a isso já nos acostumamos!

(*) é professor universitário, jornalista, escritor e amigo inestimável

Marcadores:

1 Comentários:

Às 26 de novembro de 2010 13:16 , Anonymous Rose disse...

Caros Giba e Nelson, acredito que a campanha pela desmoralização do projeto de lei que torna crime inafiançável o porte de arma tem efeitos deletérios em termos de mistificar as causas da criminalidade no Brasil. E a mistificação só pode ser interesse dos traficantes, contrabandistas, fabricantes e comerciantes de armas e munições.

Se já foi constatado que o tráfico de armas é o crime organizado mais rentável no mundo, sendo superado apenas pelo tráfico de drogas, é claro que qualquer iniciativa legislativa anti-criminogênica para diminuir a circulação de armas contraria os interesses dos traficantes. Ora, se as estatísticas revelam que 95% dos homicídios são praticados com arma de fogo não é necessário raciocinar muito para constatar que diminuindo a circulação de armas o número de homicídios haverá de diminuir.

Se as estatísticas revelam que a quase totalidade dos assaltos de rua é praticada com arma de fogo, é claro que a diminuição do porte de arma haverá de reduzir este tipo de ação criminosa. O que não pode é este país continuar exposto à sanha dos criminosos sem qualquer dispositivo legal que iniba a criminogenia e coiba a circulação do mais comum dos instrumentos para perpetrar crimes que é a arma de fogo.

O porte da arma, supostamente para a defesa pessoal, é a principal falácia usada pelos porta-vozes dos traficantes. Mas a realidade dos fatos demonstra que o porte, ao invés de evitar, incita a ação delituosa além de agravá-la.
Estamos sob o tormento diário das incertezas economica, politica, financeira e social por não haver limites de tão irresponsáveis atos cometidos, principalmente, por parte da cúpula brasileira, de indivíduos que utilizam do livre acesso para locupletar-se, para corromper as leis, para pisotear a honestidade, gritar a nivel nacional que temos de relaxar e gozar, dançar no Congresso comemorando a impunidade.

Temos de conviver com as contradições de “nossos intelectuais”? A LEI afirma que tráfico de drogas é crime, porém, se o indivíduo estiver em posse de uma pequena quantidade não poderá ser enquadrado. Afinal, é crime ou não o tráfico de drogas? Não se assuste se em pouco tempo a lei do porte ilegal de armas, também, sofrer alguma alteração: é proibido o porte ilegal de armas, mas, se o individuo estiver portando apenas uma, não será enquadrado pela lei.

O que está em faltando no Brasil são novos crimes (Que Deus não dê ciencia ao homem para inventá-los), pois os que estão aí, já viraram rotina, parte do nosso dia-a-dia, infelismente.
Abraços aos dois e obrigada pela matéria
Rose*

 

Postar um comentário

Seu comentário é muito bem vindo

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial